A fome das flores urbanas

Outro dia me peguei pensando na vida e em suas atribuições. Sempre achei que um dia conheceria o meu jardim, assim por dizer, as pessoas que normalmente contemplam a minha exposição existencial, pois as minhas flores e cada pétala que delas caem sempre me instigaram por uma resposta certeira e objetiva, então me dei conta de que esse jardim só era florido porque eu o regava com o sentimento velado de amor ao próximo e percebi que somos diferentes sim. Quem foi que disse o contrário? Por toda vida nos sentimos exaltados ao vermos pessoas nos admirando como flores perfeitas e perfumadas, e você acredita mesmo que isso é um mero acaso da tamanha perfeição da natureza. Primeiro olhei cada flor que naquele espetáculo residia, a necessidade em entender aquela transitividade fulgas me pertencia, como me pertence nesse momento os segredos do cotidiano. Será que você pode meu amigo, seguir minha linha de raciocínio? Quero realmente saber qual é a essência da flor urbana, das Rosas Silvas e Margaridas Soares, que transbordam e derramam em nossa sociedade muitos Antonios, Geraldos, Rosanas, Amandas e que depositam créditos importantes do cotidiano, e vontades inigualáveis quando o assunto é Ser. E é exatamente essa a atribuição que rego em meu jardim todos os dias, pois muito me preocupa a imposição do outro, a necessidade de ser mais que a flor ao lado, mesmo que essa seja uma rosa branca ou amarela, digo isso porque nesse caso ser uma gérbera vermelha ou uma erva daninha não se torna uma simples escolha, mas é claro que você entende que agora não é mais questão de escolha, mas sim de existência e autoafirmação. Deixo de ser óbvio e passo a ser inútil, um objeto andante, ao qual as pessoas me olham com voracidade e sentem a minha perfeita formosura efêmera. Você pode até achar que sou um louco, mas às vezes regamos jardins tediosos, e sinto - sinta você comigo leitor – que toda experiência, toda inteligência deve sim juntar-se com a inutilidade e de forma esporádica, dar licença ao Dorian Gray internalizado em cada flor. E digo mais, digo sim que algumas vezes na vida tive momentos de absoluta clareza, nesses momentos por alguns breves segundos o silêncio abafou o barulho e eu pude sentir...em vez de pensar. E tudo pareceu tão claro e o mundo ficou tão revigorante...é como se surgisse uma nova ordem! Desculpa, mas não posso fazer com que tais momentos perdurem, eu me agarro a eles, mas como tudo eles se dissipam...eu vivi desses momentos e me dei conta de que tudo está exatamente como deveria estar. Há quem diga o contrário, porém aos loucos intimido mais uma vez a minha existência. Não, não quero aplausos, nem dó e nem piedade, pois minha vida não é uma encenação... é por assim dizer momentaneamente...e o que é que eu faço? Sem motivos aparentes aos transeuntes, meus olhos úmidos somente reconhecem essa flor aguda e angustiada pelo silêncio que me rasga aos poucos e, como Clarice prefiro a mediocridade, pois milhares de pessoas não têm coragem de pelo menos prolongar-se um pouco mais nessa coisa desconhecida que é sentir-se feliz, e preferem a mediocridade. Publicado por: Professor Marcelo Cardoso Pardo em 14/03/2014
escola-venancio-flores-urbanas
EDUCAR PARA O PLENO DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
ensino fundamental - ensino médio - preparatórioS

A fome das flores urbanas

Outro dia me peguei pensando na vida e em suas atribuições. Sempre achei que um dia con- heceria o meu jardim, assim por dizer, as pessoas que normalmente contemplam a minha exposição existencial, pois as minhas flores e cada pétala que delas caem sempre me insti- garam por uma resposta certeira e objetiva, então me dei conta de que esse jardim só era florido porque eu o regava com o sentimento velado de amor ao próximo e percebi que somos diferentes sim. Quem foi que disse o contrário? Por toda vida nos sentimos exaltados ao vermos pessoas nos admirando como flores perfeitas e perfumadas, e você acredita mesmo que isso é um mero acaso da tamanha perfeição da natureza. Primeiro olhei cada flor que naquele espetáculo residia, a necessidade em entender aquela transitividade fulgas me pertencia, como me pertence nesse momento os segredos do cotidiano. Será que você pode meu amigo, seguir minha linha de raciocínio? Quero realmente saber qual é a essência da flor urbana, das Rosas Silvas e Margaridas Soares, que transbordam e derramam em nossa sociedade muitos Antonios, Geraldos, Rosanas, Amandas e que depositam créditos importantes do cotidiano, e vontades inigualáveis quando o assunto é Ser. E é exatamente essa a atribuição que rego em meu jardim todos os dias, pois muito me preocupa a imposição do outro, a necessidade de ser mais que a flor ao lado, mesmo que essa seja uma rosa branca ou amarela, digo isso porque nesse caso ser uma gérbera vermelha ou uma erva daninha não se torna uma simples escolha, mas é claro que você entende que agora não é mais questão de escolha, mas sim de existência e autoafirmação. Deixo de ser óbvio e passo a ser inútil, um objeto andante, ao qual as pessoas me olham com voracidade e sentem a minha perfeita formosura efêmera. Você pode até achar que sou um louco, mas às vezes regamos jardins tediosos, e sinto - sinta você comigo leitor – que toda experiência, toda inteligência deve sim juntar-se com a inutilidade e de forma esporádica, dar licença ao Dorian Gray internalizado em cada flor. E digo mais, digo sim que algumas vezes na vida tive momentos de absoluta clareza, nesses momentos por alguns breves segundos o silêncio abafou o barulho e eu pude sentir...em vez de pensar. E tudo pareceu tão claro e o mundo ficou tão revigorante...é como se surgisse uma nova ordem! Desculpa, mas não posso fazer com que tais momentos perdurem, eu me agarro a eles, mas como tudo eles se dissipam...eu vivi desses momentos e me dei conta de que tudo está exatamente como deveria estar. Há quem diga o contrário, porém aos loucos intimido mais uma vez a minha existência. Não, não quero aplausos, nem dó e nem piedade, pois minha vida não é uma encenação... é por assim dizer momentaneamente...e o que é que eu faço? Sem motivos aparentes aos transeuntes, meus olhos úmidos somente reconhecem essa flor aguda e angustiada pelo silêncio que me rasga aos poucos e, como Clarice prefiro a mediocridade, pois milhares de pessoas não têm coragem de pelo menos prolongar-se um pouco mais nessa coisa desconhecida que é sentir-se feliz, e preferem a mediocridade. Publicado por: Professor Marcelo Cardoso Pardo em 14/03/2014
escola-venancio-flores-urbanas
EDUCAÇÃO QUE INFORMA, FORMA E TRANSFORMA
ESCOLA VENÂNCIO
ENSINO FUNDAMENTAL - ENSINO MÉDIO - PREPARATÓRIOS
evpv-top-botao-retornar evpv-top-botao-retornar
Telefones: 21 2671 4170 / 21 2652 4062 / 21 9847 1300
Av. Nilo Peçanha, 2716 - Bar dos Cavaleiros Duque de Caxias - RJ